Como fazer evoluir uma suspensão como a 36 ou a 40, consideradas por muitos como as melhores do mercado? Como conseguir com que a FOX 36 fosse capaz de superar as novas exigências do enduro actual? Uma especialidade que exige as qualidades de uma suspensão de downhill, tanto no curso como na rigidez mas não no peso.
Simples, partindo quase do zero e criando um novo modelo intermédio especifico denominado FOX 38 para enduro com cursos maiores.
Dizê-lo parece fácil, ,mas fazê-lo não o é, assim, vamos ver ao detalhadamente todas as novidades técnicas da gama FOX 2021.

ALINHAMENTO PERFEITO GRAÇAS AO NOVO EIXO
Um  dos problemas que os fabricantes de suspensões enfrentam é a tolerância na dimensão dos cubos.
No papel, um eixo Boost deveria ter exactamente 110mm, mas nem sempre isso acontece, certo? O que acontece quanto tem 109 ou 111? Poderá pensar que nada, na verdade, estamos a falar de apenas 1 milímetro.
Mas é efectivamente grave e há consequenciais, porque isso obriga a que as pernas do monocoque se abram ou fechem para se ajustar ao cubo provocando um desalinhamento que afecta, e muito, a suavidade do funcionamento da suspensão e um aumento da fricção.
Para solucionar esse problema, os novos eixo da FOX têm um casquilho “flutuante” que corrige essas possíveis variações nas dimensões dos cubos, assegurando assim, um alinhamento perfeito de ambas as pernas.

Os novos eixos incorporam um casquilho que permitem um alinhamento perfeito de ambas as pernas.

Quando montamos pela primeira vez a roda da nossa bicicleta, tem-se que aliviar o parafuso de baixo da abraçadeira que segura o casquilho, para que fique solto na ponta da perna. Depois, apertamos a roda como fazemos habitualmente, o casquilho irá ajustar-se automaticamente. Uma vez realizada esta operação, voltamos a apertar o parafuso da abraçadeira do casquilho e ficamos com um ajuste perfeito.
Esta operação só tem de ser feita na primeira vez que utilizamos a suspensão.
No caso do novo eixo Kabolt-X, incluídos nos modelos Limited Edition, mas que pode comprar em separado, também tem uma forma escalonada na ponta, que ao ser apertado, encaixa perfeitamente no casquilho, assegurando assim o posicionamento correcto das pernas. Lembramos que este eixo retira peso e aumenta a rigidez ao utilizar um único parafuso de aperto.

A suavidade de funcionamento começa por um perfeito alinhamento das pernas da suspensão.

NOVOS CANAIS INTERNOS NAS SUSPENSÕES 
Todas as suspensões têm um espaço entre as bainhas e as pernas do monocoque onde é acumulada uma certa quantidade de ar que afecta a progressividade da suspensão quando esta se comprime. Na verdade, funciona como uma câmara de ar que quando alcança uma certa pressão, não conseguimos aproveitar todo o curso da suspensão. Para melhorar esta característica, a FOX dotou as novas pernas de um canal que permite que o ar dessa zona tenha mais volume e assim ficar com menos pressão, oferecendo menos resistência à compressão. Essa melhoria traz ainda mais suavidade de funcionamento e facilita o aproveitamento de todo o curso.
Um outro benefício é que graças a estes novos canais de ar, o óleo de lubrificação também circula com maior facilidade ao ser empurrado com mais força como se fosse um aspersor, lubrificando ainda mais os casquilhos, bainhas e esponjas dos retentores, o que assegura mais suavidade e durabilidade.

Nestes desenhos podemos ver perfeitamente os novos canais de ar e a válvula de purga do ar que há em cada perna.

VÁLVULA DE DESPRESSURIZAÇÃO
Vamos continuar a falar desta “câmara de ar” que existe entre as bainhas e as pernas no monocoque, que pode, com um uso intensivo pode ver a sua pressão aumentada numa descida mais longa, na qual vai alcançar temperaturas mais altas ao trabalhar mais, ou simplesmente por diferenças de pressão atmosférica exterior.
Para solucionar  esse problema, a FOX adoptou duas válvulas de purga, ou de despressurização, que libertam o excesso de pressão e equalizam a pressão interna com a externa.  Imagine que está num bike park em alta altitude, como por exemplo Andorra ou nos Alpes. A pressão atmosférica na parte mais baixa da estação não é a mesma que está na parte mais alta. Ao pressionar estas pequenas válvulas antes de cada saída, irá conseguir igualar a pressão interna e externa e, consequentemente, um funcionamento mais suave. Podedrá fazer o mesmo quando a sua suspensão acumule ar por ter feito uma descida maior e mais intensa.

As válvulas de purga, são um dos maiores avanços das suspensões de 2021

O novo canal interno para passagem de ar e óleo entre as baínhas e as pernas, permite uma melhor lubrificação. 

MAIOR CAPACIDADE DE AFINAÇÕES
Externamente parece o mesmo cartucho GRIP2 que pudémos ver no ano passado, mas a FOX ainda consegui melhorar o que já era um produto excepcional.
Agora o novo cartucho GRIP2 2021 tem uma válvula VVC nos circuitos de rebound e compressão (no ano passado estava apenas num dos circuitos), permitindo assim fazer alterações dos SIM internos em andamento. O que quer dizer que podemos variar a funcionalidade interna (fazer um tuning) da suspensão sem ter que a desmontar, agora, basta simplesmente girar um botão.
Esta novidade, permite às três suspensões: 36,38 e 40 adaptar-se a um maior leque de utilizadores, estilos e níveis de condução sem necessidade de recorrer a um Serviço Técnico para que nos façam uma modificação interna. 

A válvula VVC agora é ajustável do exterior de uma forma fácil e cómoda

MAIS CAPACIDADE DE AFINAÇÕES
A câmara de ar EVOL, que tanto caracteriza as suspensões FOX e que exerce as funções de uma mola mecânica, mantém o mesmo princípio de funcionamento, tendo por base a pressão do ar e espaçadores de volume internos, mas com uma diferença que melhorar o seu comportamento.
A mudança principal, é que agora, a câmara do volume de ar positivo tem uma maior capacidade, o que se traduz em duas excelentes características. Por um lado, uma maior suavidade de funcionamento, já que se corta com mais facilidade aquele momento de resistência inicial e por outro, oferece maior suporte (menos afundamento) na parte inicial e superior da suspensão. 

DUAS OPÇÕES DE COROA
A evolução das bicicletas e quadros também obriga a uma evolução de certas partes da suspensão, como por exemplo as coroas. Este ano há duas versões: uma “convencional” e outra com maior diâmetro exterior (base) solicitada por alguns fabricantes para as suas bicicletas eléctricas de maneira a ter assim um maior apoio e rigidez. O modelo com mais base poderá encontrá-lo nas versões E-Bike, já que são suspensões sujeitas a maiores esforços devido ao peso superior do conjunto utilizador/bicicleta.

Este ano há duas opções de coroa. Uma “convencional” e outra com maior base, indicada principalmente para bicicletas Eléctricas ou certos quadros.
Aqui podemos ver como há fabricantes que requerem uma maior base de apoio para os seus novos quadros devido ao desenho da coluna de direcção.

Existe uma nova coluna de direcção com um diâmetro externo, indicada especialmente para E-Bike 

TUBO DE DIRECÇÃO ELÍPTICO NA 38
Apenas no modelo 38. A FOX criou um novo tubo de direcção com forma elíptica no interior da zona conificada, que maximiza o rácio rigidez/peso para todas as vertentes do All-Mountain/Enduro.
Com este tubo reforça-se um dos pontos mais vulneráveis numa suspensão de maior curso, que tem de suportar impactos e desníveis semelhantes aos de uma suspensão de downhill.
Segundo os testes realizados em fábrica, a 38 é 31% mais rígida transversalmente, 9% mais rígida frontalmente e 20% mais rígida torcionalmente que a 36.
Lembre-se que uma maior rigidez e um maior diâmetro das baínhas, também exige uma maior força física dos braços. A verdade é que não nos cansamos de repetir que esta é uma suspensão de atletas profissionais trazida para a produção em série.

O novo tudo de direcção elíptico, foi adoptado apenas pelo modelo FOX 38.

NOVO MONOCOQUE = MAIOR RIGIDEZ
Verá muito rapidamente que a estética das novas suspensões é muito diferente das do ano passado. Os números, agora claramente expostos nas duas pernas, tornam todo o conjunto mais agressivo.
Mas na verdade, isto é apenas um trabalho estético. o grande desenvolvimento está no todo, o conjunto do monocoque e coroa, o denominamos por o chassis da suspensão.
Se reparar, este ano o arco da ponte é muito arredondado, mais baixo, aberto e curvado para a frente.
Tudo isto tem muitas explicações, que pouco ou nada tem a ver com a estética.

 

Neste desenho pode verificar várias coisas. Por um lado, uma base maior da coroa e por outro, o novo desenho da ponte, que agora se afasta muito mais do tubo de direcção.

NOVO DESENHO DA PONTE
O novo desenho maximiza a rigidez de todo o conjunto sem aumentar uma grama de peso. Na verdade, não se procura tirar peso, mas sim, reforçar mantendo os mesmos números na balança, optimizando as formas e design.
O arco da ponte, agora mais separado das bainhas, o que deixa mais espaço para não acumular sujidade e não interfere com a forma da zona de direcção dos novos quadros de carbono.

 

Sem dúvida irá converter-se no novo sinal de marca da grama “gravity” da FOX.