Ouvir queixas sobre o funcionamento dos FOX RE:Aktiv que equipam as Trek de 2017 e 2018 não é algo novo. Na verdade, não estamos a falar de um mau comportamento da suspensão, mas sim de uma mera questão de diferença de gostos de utilização entre países.
O utilizador, português, espanhol ou italiano, que tem uma especial predilecção pelas provas de XC e de Maratona, gosta das suspensões firmes e com um bloqueio efectivo a 100% quando é necessário. Duas situações em que o RE:Activ oferece um tacto mais destinto, devido à sua configuração que oferece um comportamento regressivo e um bloqueio que não chega a ser firme, porque esta foi a escolha dos engenheiros da Trek que o criaram.

Apesar de terem sidos construídos pela FOX Factory, os amortecedores RE:Active da Trek utilizam uma parte da tecnologia desenvolvida pela Penske, um preparador de carros de competição da Indy Racing League.

No FOX Service Center da Bicimax recebemos muitas queixas acerca da perda de eficiência destes modelos, com o passar do tempo. Por isso, mostramos-lhes um gráfico criado pelo nosso DYNO, um dos poucos que existem na Península Ibérica.

DYNO, Andreani, Bicimax, FOX, Re:Aktiv
O FOX Service Center da Bicimax é um dos mais bem equipados da Europa. Uma das últimas aquisições foi uma máquina de ensaios: um DYNO da Andreani, com o qual podemos confirmar o funcionamento hidráulico das suspensões e amortecedores.

BANCO DE ENSAIOS DYNO, O DERRADEIRO TESTE
A Bicimax é uma das poucas empresas que possuem um DYNO DB4 ANDREANI. Trata-se de um banco de ensaios capaz de analisar o comportamento de suspensões e amortecedores de um modo totalmente exacto e científico, já que no mundo das suspensões não nos podemos deixar influenciar apenas por sensações.
O DYNO serve para conferir o comportamento antes e depois da revisão de uma suspensão ou amortecedor, ou então para fazer modificações internas ao gosto do utilizador – aquilo a que na FOX chamamos “Factory Tune”.
Neste caso, o DYNO revelou-nos a importância de fazer uma manutenção a um amortecedor como o RE:Aktiv, que apresentou um comportamento muito diferenciado antes e depois da revisão.
Nesta imagem pode ver o gráfico de força/velocidade com as duas curvas de comportamento hidráulico do mesmo amortecedor RE:Aktiv XC, antes (linha vermelha) e depois (linha azul) de fazer uma manutenção completa.
Como se observa na parte superior, que corresponde à compressão (a inferior é o rebound), o amortecedor recupera ostensivamente a sua firmeza e resistência a baixa velocidade, isto é, perante pequenos impactos, o que faz com que tenhamos um tacto muito mais firme na parte inicial do curso.
Evidentemente, o comportamento a alta velocidade mantém-se quase invariável porque tem de ser assim.
O amortecedor RE:Aktiv possui uma tecnologia muito específica e especial, sendo a sua firmeza muitas vezes questionada pelos utilizadores. Parte da resposta a esses problemas é muito simples: basta cumprir os prazos de manutenção.

DYNO, FOX, Bicimax, Andreani
A parte superior deste gráfico corresponde à compressão e a parte inferior (debaixo do 0) ao rebound. Na verdade, o que realmente nos interessa e onde há uma grande diferença é na compressão. A linha vermelha corresponde a um amortecedor RE:Aktiv antes de fazer a revisão, enquanto a linha azul apresenta o seu comportamento depois de ter sido realizada a manutenção. Deste modo, podemos comprovar a existência de uma maior resistência inicial aos pequenos impactos.

O QUE ACONTECE COM O RE:AKTIV?
No caso do amortecedor RE:Aktiv, há que ter em conta que este possui uma tecnologia especificamente desenvolvida pela Penske e, consequentemente, um comportamento ligeiramente diferente. Se um amortecedor DPS com configuração LIGHT no modo FIRM tem uma resistência de 180lbs de força até que o consigamos mover, no caso do RE:Activ é ligeiramente superior, já que necessita de cerca de 200 lbs de força para o mover na posição FIRM; no entanto, como o seu sistema hidráulico é regressivo, diante dos impactos maiores o utilizador poderá sentir um afundar mais mole e acentuado quando passa esse limiar de pressão.

DYNO, FOX, Bicimax, Andreani
Apesar de fabricado pela FOX, os RE:Active têm uma tecnologia especificamente desenvolvida em conjunto pela Trek e pela Penske, uma reputada empresa preparadora de suspensões da Indy Car.
Andreani, Bicimax, FOX, Re:aktiv
O FOX Service Center da Bicimax possui um dos poucos DYNOS da Andreani que existem no mercado ibérico. Uma ferramenta indispensável para fazer modificações internas ao gosto do consumidor.

DE RE:AKTIV A DPS
Se apesar de fazer todas as manutenções continua a não estar satisfeito com o comportamento do amortecedor, no FOX Service Center da Bicimax damos-lhe a possibilidade de transformar o seu amortecedor RE:Activ num DPS convencional, o que proporciona um bloqueio firme e uma maior resistência inicial.
Neste caso substitui-se o piston interno e uma vareta. Uma operação que sai infinitamente mais económica se aproveitar o momento em que tem de fazer a manutenção ao seu amortecedor.
Para mais informações, contacte a nossa oficina: www.foxservice.pt

CXCXCXCXCXCXCX Muito se tem falado entre os consumidores da falta de firmeza ou da perda de eficácia dos amortecedores RE:Aktiv que equipam as Trek de 2017 e 2018. Pois bem, fomos submetê-lo a um teste no banco de ensaios DYNO DB4 do FOX Service Center da Bicimax, com o objectivo de provar que muitas vezes se trata simplesmente de falta de manutenção. <br> Pues bien, en la oficina del FOX Service Center de Bicimax, lo hemos sometido a la prueba de nuestra DYNO DB4 para comprobar que muchas veces se trata de una simple falta de mantenimiento.